Picasso.

            Ensinar uma criança a valorizar os hábitos que conduzem ao bom sono é uma bela herança. Dormir bem  é muito mais que uma rotineira providência de saúde mental. É, talvez em primeiro lugar, uma questão de ensinar a criança a experimentar a vida com prazer  e com toda confiança.

            A insônia é um sintoma de enfermidade mental. Consideremos que a depressão costuma afetar o sono e vice versa.  Que além da depressão, condições psiquiátricas e neurológicas, como ansiedade, síndrome das pernas inquietas, mal de Parkinson e Alzheimer, podem levar à insônia. A causa pode ser tanto alterações nas regiões cerebrais que afetam o sono como medicamentos usados para tratar as doenças


            Há diversos problemas que atrapalham o sono, tanto em um adulto quanto numa criança.

:           Por exemplo, ficar se revirando na cama e lutando para dormir é um sentimento familiar para muitos. A dificuldade maior pode estar na mente não adormecer ou nela não manter o sono. De qualquer maneira, é fundamental dormir bem, em função de que  o esforço para fazer as atividades do dia possa lograr êxito. 

            Uma pessoa que não tem uma boa noite de sono dificilmente poderá ter uma vida saudável durante o dia e, quase sempre, menos produtiva.

          O bom sono depende muito do temperamento, da constituição física, do estado de saúde e das circunstâncias externas, mas o nosso descanso depende também da nossa capacidade de nos abandonarmos por completo as preocupações do estado de consciência, de pararmos realmente para não fazer absolutamente nada.

           Isso não é tão fácil nem tão difícil de ensinar aos filhos, sabe porquê? Em parte o sono é um fator cultural, pois a vida familiar e a educação que recebemos também pesa muito fortemente sobre o hábito de priorizar o descanso noturno.

           Tem raízes psicológicas, físiológicas, familiares, sociais e até religiosas.  Dai que, dormir, traduz-se numa maneira de dizer a Deus que confiamos ou que não confiamos Nele.  

           Aprender a dormir também significa respeitar a lei da vida, onde há um tempo para tudo. Segundo a Bíblia, quando chega a hora de dormir, nosso dever, ou seja, npossa maneira de dizer a Deus que Nele confiamos e a Ele agradecemos, é deitar e dormir.

           Nos salmos, principalmente, vemos que Deus, a cada momento se entrega completamente para cuidar de cada um de nós, esperando que você e eu respondamos da mesma maneira, nos entregando completamente nos braços Dele para criar um sono reparador.

           Ele nos pede para colocarmos tudo de volta em Suas poderosas mãos para que nos entreguemos verdadeiramente ao sono, da mesma forma que um recém nascido se abandona absolutamente nos braços de sua mãe. 

           Assim como pagamos um vigia noturno ou o segurança do prédio para velar o nosso sono, e dormimos, maior segurança temos que encontrar naquele que, olhando para o céu, espera pelo amanhecer com alegria e esperança.

          Aceitar parar, colocar tudo nas mãos de outra pessoa, requer muita confiança. E esta confiança precisa ser aprendida desde bem cedo na vida.

           Até os pequenos podem ter preocupações e ansiedades que os mantêm acordados: medo do escuro ou da tempestade, medo de um “monstro” no armário, medo de ficar sozinho, medo do irmãozinho, imaginações noturnas.

            A estes medos todos, somam-se, ao longo dos anos, os problemas relacionados com a escola e todas as dificuldades da vida.

            Depende dos pais suscitar nos filhos a consciência da presença d’Aquele que nunca deixa ninguém sozinho.

           É essencial que as crianças saibam que, a qualquer hora do dia ou da noite, Deus está ali, Ele as ama, as vigia e as escuta. Deus e os anjos, que são numerosos amigos aos quais podemos confiar nossas preocupações, medos, perguntas, ao invés de ficar sozinhos ruminando por causa de nossas ansiedades.


                          O que pode acabar com as dificuldades da hora de dormir ?



              Por muito tempo se usou certos objetos que pareciam ajudar as crianças a repetir a sensação de estar na presença de Deus: cruz, medalha, rosário. Com a mudança de hábitos religiosos na população, há hoje muitos pais que recusam essa tradição, dizendo: “É perigoso reduzir a fé a objetos, como fetiches de sorte”. Superstição? 

            Não, talvez. Algo simbólico para até ser bom de alguma forma. Veja o urso de pelúcia preferido da criança, que ele leva a todos os lugares onde vai,  porque lembra o cheiro da mãe.

            A qualidade do sono também depende, em grande parte, das horas que antecedem a hora de dormir. No final do dia, evite jogos barulhentos e brincadeiras. É melhor substituí-los por atividades mais silenciosas. O silêncio (pelo menos relativo) permite-nos dormir sem ser perturbado pela música ou pela televisão.



                                                             A hora do perdão



                Há outro ponto: o perdão, a sensação de consciência tranquila, alma limpa, aprovação. Certa avó costumava dar este conselho aos seus netos: “Nunca adormeçam sem se beijar”.

               Isso fez que uma de suas netas observasse mais tarde: “Eu acho que vovó nos salvou de muita insônia ao nos convidar a perdoar”.

               Portanto, as crianças nunca devem ser colocadas na cama se os pais estiverem furiosos com elas e vice-versa.

                Perdoarmos uns aos outros para recomeçarmos o diálogo é libertador, desde criança até o fim da vida na velhice.

                E, como o assunto é sono de qualidade, o importante é não apenas sentir-se perdoado, mas também perdoarmos os outros e, mais ainda, perdoar a nós mesmos, sendo regatados pelo recomeço.




                                                              A oração da noite



                Jamais esquecer a sagrada oração da noite. Ela produz o efeito psicológico e espiritual juntos. É ela que conduz à consciência da onipotência, onipresença e onisciência daquela que não dorme para velar o nosso sono.

                A oração da noite nos guia ao perdão e é o momento para o pedir aos outros e a Deus que nos perdoem. É o momento em que podemos nos entregar à misericórdia de Deus, arrependidos pelo bem que podíamos ter feito e não fizemos. Bom lembrar que é Ele que nos ensina e fortalece para  sabermos perdoar e a querer pedir perdão.

                A melhor oração da noite está anotada no Evangelho de Lucas e é conhecida como a oração do velho Simeão: “Nas tuas mãos, Senhor, entrego a minha vida”. Pode ser dito ou, melhor ainda, cantado porque é mais facilmente memorizado e a música contribui para a calma do infante.

                 Por fim, nunca esqueçamos que a qualidade do sono dos nossos filhos depende em primeiro lugar e sobretudo da nossa capacidade de, todas as noites, coloca-los nas mãos de Deus com a certeza de estarem vivendo num lar equilibrado de pessoas que se amam e se respeitam. 

0 Comentários