Ser, Fazer e Acontecer
             Gonzaguinha


Que uma mulher pode nunca nada

Isto eu já sei

É o grito da dona moral

Todo dia no ouvido da gente

É que eu estou pela vida na luta

Eu também sei

E meu caminho eu faço

Nem quero saber que me digam dessa lei


Porque já sofri, já chorei, já amei

Vou sofrer, vou chorar e voltar a amar

Porque já dormi, já sonhei e acordei

E vou dormir, vou sonhar, pois eu nunca cansei


É que sinto exatamente

Aquilo que sente qualquer um que respira

Uma perna de calça

Não dá mais direito a ninguém

De transar o que seja viver



E por isso eu prossigo e quero

E grito no ouvido dessa tal de dona moral

Que uma mulher pode nunca é deixar

De ser, fazer e acontecer



Realmente, Gonzaga cantou e ainda canta no ouvido da gente essa verdade latente sobre ser mulher. 


Desde que o mundo é mundo o duelo entre a mulher, a liberdade e o tempo existe e é grande. 


 A vida da mulher é um emaranhado de papéis incríveis (ah se fossem divertidos) até certo ponto. 


Muitas cobranças, gerando atividades e responsabilidades, numa recorrente sensação de: “nunca terei tempo o bastante para fazer tudo o que é preciso.”



Quantas mulheres você conhece que passam por isso de formas diferentes nas mais diversas fases da vida. As mais adultas sentem  culpa por ter abdicado do tempo com os filhos, com a família ou os amigos pelo simples fato de que homens provedores escassaram-se até dar praticamente "adeuzinho". 


Assim, elas não podem deixar filhos com fome e vão elas mesmas à caça, precisando produzir mais, trabalhar mais, buscar ser melhor remunerada.


 O autocuidado é um ato de amor com a pessoa mais importante da sua vida: VOCÊ!


Se você não tem esse sentimento, maravilha para você, mas esse é um engano terrível que atormenta a vida de boa parte das mulheres e traz sentimentos de frustração, culpa, sofrimento, que é a ideia equivocada de que seria preciso abrir mão de uma área da vida para atingir a plenitude em outra.



É bem comum ouvir das mulheres: 


“Eu não faço academia porque não tenho tempo”, “Eu gostaria de fazer aquele curso sobre administração financeira, mas não tenho tempo”, “Seria ótimo encontrar minhas amigas, mas preciso trabalhar, não tenho tempo…”




O que está por trás disso? 



Em primeiro lugar, é não ter consciência de que mesmo quando não escolhe não ter tempo para isso ou aquilo, a pessoa está, na verdade, elegendo inconscientemente como usar o seu tempo. 


Em segundo lugar, quando diz “não tenho tempo”, você está definindo o que é prioridade para você naquele momento da sua vida.




Desenhando: 
Quando você diz “não tenho tempo para cuidar da minha alimentação”, você está consciente ou inconscientemente dizendo a si mesma que essa não é uma prioridade para você naquele momento (e pode não ser nunca!).



Você pode me dizer: 
“Eu sei que é importante cuidar da alimentação, eu até vejo na quase tudo que posso sobre isso!” 

Sim, todo mundo sabe que não existe  jeito algum de fazer gestão do tempo, o que existe é fazer a gestão da sua própria vida! 


Se você ainda não se deu conta, o tempo é hoje um dos – senão o maior – dos nossos ativos. 


Todos os dias e a cada minuto estamos perdendo um pouco dos nossos dias, estamos diminuindo um ponto na tabela do tempo de vida.


Não nos damos conta disso porque simplesmente não paramos para refletir sobre, porém, é forte e significativo quando finalmente percebemos como estamos gerindo nossa vida e como estamos deixando a vida escorrer pelos dedos, enquanto tentamos, em vão, conciliar os vários papéis que temos de desempenhar aplicando o tempo.


Por outro lado, não adianta encher o dia com tantas atividades que mal sobra tempo para fazer aquilo que é de fato importante, que dirá para ter tempo livre.



Pessoas ocupadas demais não têm tempo para viver!  Menos ainda para produzir. 


E pessoas ocupadas geralmente ocupam seus dias com atividades rotineiras, ou seja, aquelas atividades que precisamos fazer de qualquer jeito, mas que não estão necessariamente nos conduzindo à realização dos nossos sonhos, a uma vida plena, e nesse momento preciso DIZER A VERDADE: Sua lista de tarefas nunca vai terminar!


Se existe uma verdade que precisamos admitir para melhor viver é que as nossas atividades, nossas tarefas nunca, mas nunca mesmo, terão fim! 


Não adianta pensar que no dia em que você fizer exatamente 100% de tudo o que foi planejado você estará livre do fantasma da falnta de tempo, que, por fim é só o mau uso do tempo.




Então, o que funciona? Como funciona?



Mais do que fazer uma lista  de tarefas diárias do que é importante e urgente, para ter domínio do tempo, é preciso identificar como usar o tempo a nosso favor, em benefício daquilo que realmente fará sentido para nossa vida, seja no social, profissional ou pessoal.


Nesse sentido, um dos principais pontos a considerar é que ter uma vida sistêmica é essencial, é viver em equilíbrio e harmonia com todos os pilares da nossa existência.




Tem certeza que entendeu isso? 


Não adianta produzir muito no trabalho se você não tem tempo para seus filhos, para seus pais e irmãos, para o companheiro, para cuidar de si mesma ou para estar com as amigas, para curtir a vida.


A vida é o que acontece de segunda a sexta, o problema é que a maioria das pessoas vive somente uma ou duas áreas da sua vida durante a semana e quer “ser feliz” somente aos finais de semana, quando vai buscar satisfazer ou dar espaço a tudo o que não fez durante a semana por estarem envolvidas com um ou dois pilares somente – o profissional ganhando em disparada. 


No Japão, um país popularmente conhecido por trabalhar demais, os japoneses são tão viciados em trabalho que muitas vezes deixam de dedicar tempo à família, aos amigos, de tirar férias ou cuidar da saúde. 


Não por acaso, temos acompanhado uma situação desoladora em que muitas pessoas estão morrendo por priorizar o trabalho em detrimento das outras áreas da vida.


Num caso recente, uma jovem japonesa de 24 anos cometeu suicídio pulando da janela do prédio onde morava levando à comoção o país inteiro. Numa das mensagens que deixou, ela disse: “quero morrer”, “estou física e mentalmente destroçada”. 


Infelizmente, as mortes por excesso de trabalho no Japão já se tornaram um problema com grandes repercussões e já existe até um termo para descrever essa situação: “karoshi”.



São casos extremos, claro, mas são situações que demonstram como a falta de equilíbrio pode comprometer mental e emocionalmente uma pessoa. 


Quando a pessoa faz uma escolha dessa, ela reduz drasticamente a produção de emoções positivas, daí decorrem o estresse, a ansiedade, diversos tipos de doenças físicas e emocionais. 


E, cá entre nós. se isso acontecer, você afastou completamente a possibilidade de ser produtiva(o).



Quando eu afirmo que desenvolver as habilidades da inteligência emocional é essencial para a mulher, é justamente por constatar que a angústia, a ansiedade, a frustração, o descontrole emocional decorrentes dessa pressão constante, desse “excesso de tarefas”, fazem a pessoa perder energia, tornando-se uma pessoa menos produtiva e, consequentemente, demorando mais para realizar tudo o que tem de realizar.


Eu posso afirmar, observando além dos meus próprios resultados antes e agora, também os resultados das pessoas com as quais convivo, das minhas coachees (cliente), o que me faz ter isso como certo: ser uma viciada em trabalho e fazer disso uma prioridade na sua vida não vai te fazer mais produtiva, ter uma vida em equilíbrio, sim!


Uma das soluções para essa questão é transformar sua agenda numa agenda sistêmica, à qual seja possível destinar tempo para todas as áreas da sua vida ao longo da semana e, obviamente, gerar momentos de felicidade, satisfação e conexão com as pessoas que são importantes para você. 


Logicamente, não ao mesmo tempo, não no mesmo dia, mas de forma importante, que você possa distribuir atividades pontuais ao longo da semana que, só para constar, tem 7 dias, ou seja, é decisão sua viver só no fim de semana, em 2 dias, ou viver os 7 dias que você merece!


Hoje você entendeu como a falta de equilíbrio e o excesso de tarefas desnecessárias afetam nossas emoções e nossas percepções e, por consequência, afetam (e muito!) a nossa produtividade, prejudicando a nossa velocidade de execução e os resultados que podemos obter na vida pessoal e profissional?




Ritual diário de produtividade



O meu convite é para que você se dê o benefício da dúvida ao construir uma agenda sistêmica, abrindo espaço para experimentar os benefícios de ter uma vida equilibrada. Uma boa maneira de começar é estabelecendo um ritual diário de produtividade.

Ao estabelecer seu ritual diário de produtividade, defina a hora de acordar, a hora de começar a trabalhar, a hora de fechar o trabalho e a hora de descansar. Quando estiver no trabalho, esteja presente a isso, elimine as distrações. Quando encerrar o expediente, encerre-o de verdade! Estabeleça um horário certo para isso e, quando for o momento, feche o trabalho e vá viver os outros pilares da sua vida, deixando o trabalho no lugar onde ele deve ficar.

E aí, quando estiver vivendo as outras áreas da sua vida, permita-se dedicar um tempo de qualidade a isso, ou seja, esteja 100% presente ao que você está fazendo, não importa se você está na academia, na igreja ou brincando com seu filho. E, se surgirem pensamentos com coisas a fazer, faça uma anotação no celular ou na sua agenda e retorne imediatamente à atividade que você elegeu priorizar.

Com certeza, anote ai que seu senso de satisfação e sentido na vida vão melhorar consideravelmente!


0 Comentários