O café representa hoje bem mais que  uma velha e boa bebida viciante produzida colhendo  grãos
pretos para serem torrados, um simples  fruto do cafeeiro.






É servido tradicionalmente quente, mas também, muitas vezes e em algumas de suas variações, pode
também ser servido gelado.






Um estudo da Universidade de Barcelona, Espanha, demonstra que, após 10 minutos, a cafeína atinge metade de sua concentração máxima no sangue, suficiente para começar a causar algum efeito. Pelos 45 minutos, deve alcançar o nível máximo, e aí a pessoa pode ficar mais alerta. Dependendo da velocidade com que o organismo o absorve , é possível manter esse efeito num tempo estimado entre   3 e 5 horas.





Exatamente por isso,  o consumo de café está associado à necessidade de contrariar o cansaço físico e mental, a exaustão, sendo, por isso, consumida ao longo do dia por pessoas que deitam tarde, acordam cedo, mas precisam enfrentar novamente a agenda pelo amanhecer até o próximo anoitecer.





Gosto muito de café. De tomar café com os amigos, de ouvir as histórias de cada pessoa ao redor de uma rodada quentinha, com aquele cheirinho delicioso. E, ainda por cima, lembrando que essa bebida também tem outros benefícios até agora quase desconhecidos.








Além da cafeína, vários compostos do café fazem bem para a saúde. 







Os outros compostos são antioxidantes, que protegem o corpo dos malefícios de radicais livres. Essas moléculas causam envelhecimento e estão associadas a doenças como câncer e problemas cardíacos, distúrbios que o café também ajuda a prevenir.






A dra. Elisabet Rothenberg, da Universidade de Kristianstad, na Suécia, estudou minuciosamente a bebida revela no  jornal Metro  que o café pode ajudar a reduzir o risco de sofrer de doenças neurológicas, principalmente o Alzheimer e Parkinson.






O estudo comprova que o café contém compostos vegetais altamente benéficos para o cérebro humano, entre  eles os fitoquímicos e polifenóis.












Os efeitos de uma xícara de café






Rothenberg e uma equipa de investigadores sob a sua alçada acreditam que beber café regularmente ajude a reduzir o risco de sofrer qualquer uma das doenças mencionadas em até 20%.



Além de ajudar a prevenir o aparecimento de patologias degenerativas, este alimento pode ainda contribuir para atenuar os sintomas de doenças já instaladas. "Não é uma cura milagrosa, mas pode ajudar no tratamento, mesmo que ligeiramente", refere Elisabet Rothenberg.



Um facto curioso e surpreendente a ter em conta é que esses efeitos positivos do café no corpo humano são mais intensos nos homens do que nas mulheres, já que, o estrogénio, hormona feminina, pode interferir no efeito que o café tem no corpo humano.


0 Comentários