A troca de mensagens picantes é uma realidade para diversas pessoas há mais tempo que se imagina. 

Tanto que a prática do sexting parece ter se tornado mais assumido pelo publico durante o isolamento social na pandemia por Covid 19. 

Vamos combinar? Hoje em dia, em vários lugares do mundo, é comum que a palavra "nude" seja  imediatamente associada ao envio de fotos íntimas via internet. 

Porém, no isolamento social imposto para diminuir os casos do novo coronavírus, esse tipo de prática pode ter sofrido um significativo aumento .

 

Uma pesquisa realizada pelo aplicativo de relacionamentos Happn, apenas com o público brasileiro, revelou que 31% dos usuários já praticaram sexting durante a quarentena. O termo, que vem da língua inglesa, significa realizar troca de mensagens, fotos ou vídeos eróticos através do celular ou computador.

 

A enquete coletou as respostas de 1.117 pessoas, de diferentes regiões do Brasil, que possuem o aplicativo no celular. 


De acordo com o levantamento, 16% dos usuários afirmaram que enviaram mensagens eróticas, enquanto 10% praticaram o sexting com a troca de fotos e 5% através de vídeos. 


Além disso, 15% das pessoas admitiram que nunca haviam feito sexting antes da quarentena.

 

A maior parte dos usuários (cerca de 73%) se demonstrou ansiosa para voltar a ter relações sexuais com segurança após a quarentena.


 Abordando assuntos além do sexo, a pesquisa também concluiu que 72% das pessoas estão mais focadas no amor próprio e 62% esperam iniciar um relacionamento sério após a pandemia.

 


Há benefícios no sexting?


Valoração moral à parte, o que não quer dizer que não exista com radical importância, esse ato é interpretado com elogio por sexólogos, psicólogos e psicanalistas, principalmente.


 Sexólogos até explicam que o sexting permite ao casal desfrutar de fantasias e desejos mais secretos com a outra pessoa, incentivando essa abertura entre indivíduos interiormente livres. 


Por exemplo, eles dizem como o sexting acaba aproximando o casal, sendo uma preliminar interessante, ele estimula o ato de se abrir para o outro, com conversas quentes mais picantes.


 Além disso, o sexting também estimula as fantasias sexuais e eróticas, aumentando o desejo sexual, dizem os especialistas. 


Isso porque, quando conseguimos mostrar ao outro que aceitamos e estimulamos esse lado dele, a pessoa se abre e se mostra mais, incluindo claramente seus desejos na relação.


Claro que, os pontos de vistas mais amplos focados pela teoria comportamental e e pelas opção teológico-moral,  teremos que tratar numa próxima oportunidade.


0 Comentários